OS ORIXÁS

Os orixás são deuses africanos que correspondem a pontos de força da Natureza e os seus arquétipos estão relacionados às manifestações dessas forças. As características de cada Orixá aproxima-os dos seres humanos, pois eles manifestam-se através de emoções como nós. Sentem raiva, ciúmes, amam em excesso, são passionais. Cada orixá tem ainda o seu sistema simbólico particular, composto de cores, comidas, cantigas, rezas, ambientes, espaços físicos e até horários.

Como resultado do sincretismo que se deu durante o período da escravatura, cada orixá foi também associado a um santo católico, devido à imposição do catolicismo aos negros. Para manterem os seus deuses vivos, viram-se obrigados a disfarçá-los na roupagem dos santos católicos, aos quais cultuavam apenas aparentemente.

Estes deuses da Natureza são divididos em 4 elementos – água, terra, fogo e ar. Alguns estudiosos ainda vão mais longe e afirmam que são 400 o número de Orixás básicos divididos em 100 do Fogo, 100 da Terra, 100 do Ar e 100 da Água, enquanto que, na Astrologia, são 3 do Fogo, 3 da Terra, 3 do Ar e 3 da Água. Porém os tipos mais conhecidos entre nós formam um grupo de 16 deuses. Eles também estão associados à corrente energética de alguma força da natureza. Assim, Iansã é a dona dos ventos, Oxum é a mãe da água doce, Xangô domina raios e trovões, e outras analogias.

No Candomblé cultuam-se muitos outros orixás, desconhecidos por leigos, por serem menos populares do que Xangô, Iansã, Oxossi e outros, mas com um significado muito forte para os adeptos dos cultos afro-brasileiros. Alguns são necessariamente cultuados, devido à ligação com trabalhos específicos que regem, para a saúde, morte, prosperidade e diversos assuntos que afligem o dia-a-dia das pessoas. Estes deuses africanos são considerados intermediários entre os homens e Deus, e por possuírem emoções tão próximas dos seres humanos, conseguem reconhecer os nossos caprichos, os nossos amores, os nossos desejos. É muito frequente dizer-se que as personalidades dos seus filhos são consequência dos orixás que regem as suas cabeças, desenvolvendo características iguais às destes deuses africanos.

Orixás – Elementos Primordiais E Suas Ramificações

Abaixo a veja a tabela relacionada com os orixás e seus elementos, tais como: Cor, Elemento, Suadação, Ramificação. Nos nomes dos Orixás estão links para lendas dos mesmos, é só clicar que irá encaminhar para página do próprio.

Orixás Elemento Ramificação Cor Saudação
Oxalá Ar Ar Branco Epa babá
Iemanjá Água Salgada Branco/Azul Odô yá
Nanã Água Chuva Roxo Saluba Nanã
Oxum Água Doce, Cachoeiras Azul Ora yeyê-ô
Oxumarê Água Evaporação Verde/Amarelo Arrobobô
Ogum Fogo Ígneo Vermelho Ogum Yê
Ibeji Fogo Purificador Rosa/Azul Oni Ibejada
Xangô Fogo Elétrico Marrom Kaô Cabecile
Iansã Fogo Emoções Amarelo Eparrei Oyá
Oxossi Terra Fauna Verde Okê Arô
Ossãe Terra Flora Verde/Branco Euê-a
Obaluaiê Terra Transformação Branco/Preto Atotô

 

Os Elementais

Entre esses espíritos de atuação dentro do campo vibratório dos Orixás de comando, encontramos aqueles que trabalham mais perto de nossa realidade, relacionando-se de forma estreita com os elementos: são os

ELEMENTAIS.  São os grandes artífices e alquimistas que nos oferecem as pedras, as folhas, as flores, a água, as forças da natureza.  Eles estão, muito perto de nós, atuando também nos trabalhos dos Guias e da própria Umbanda como um todo.

Os Elementais se apresentam com forma semelhante à humana. De acordo com a variação de consciência e emoção produzem mudanças em sua coloração e até mesmo em sua forma.  Usam seu corpo astral e quando necessário, até materialisam seu veículo etéreo.  A forma astral, de acordo com revelação e depoimento de videntes, consiste numa aura esférica multicolorida energética. O veículo etérico dessas entidades é que lhes permite um senso de individualidade.  Nas épocas de crescimento, germinação e desenvolvimento dos vegetais, a vitalidade e atividade desses seres aumenta pelo contato maior com o mundo físico, tornando-os mais visíveis aos médiuns videntes, quando não se materializa temporariamente, dançando e brincando como seres humanos.

No elemento Terra:

Nas florestas, por exemplo temos as Dríades, ligadas ao campo vibratório de Oxossi, possuem cabelos compridos e luminosos, são de rara beleza e trabalham diretamente nas árvores.

Os Gnomos das árvores trabalham dentro do duplo etérico das mesmas. As Fadas manipulam a clorofila das plantas, estabelecendo a multiplicidade dos matizes e fragrância das flores, formando as pétalas e brotos. Estão associadas à vida das células da relva e outras plantas.

Os Duendes que cuidam da sua fecundidade, das pedras e metais preciosos e semi-preciosas.

No elemento Água:

Encontramos as Sereias que ficam perto dos Oceanos, rios e lagos, de forma graciosa e energética. Nas cachoeiras estão as Ondinas, que muito ajuda nos trabalhos de purificação realizados pela Umbanda nas cachoeiras.

No Elemento Ar:

Os Silfos que estão sob a regência de Oxalá. Como as Fadas, se apresentam com asas, movimentando-se com extrema rapidez.

No Elemento Fogo:

As Salamandras são elementais do FOGO. Se apresentam como correntes de energia ígnea, que se precipitam, sem se afigurarem como seres humanos. Atuam nas energias ígneas solar e do fogo em geral.

DIA DA SEMANA DOS ORIXÁS

SEGUNDA – FEIRA *Exu, Pomba Gira, Obaluaye, Omulu, Pretos Velhos (Iorumá) e almas aflitas.

TERÇA – FEIRA *Ogum, Boiadeiros e Baianos.

QUARTA – FEIRA *Xangô e Iansâ.

QUINTA – FEIRA *Oxossi, Caboclos e Caboclas.

SEXTA – FEIRA *Oxalá, Almas Santas e Linha da Oriente liderada por São João Batista.

SÁBADO *Iemanjá, Oxum, Nanã Buruke, Ondinas, Sereias, Caboclas, Iaras e Marinheiros.

DOMINGO *Iori (Cosme e Damião), Crianças e Ibeijada.